Facebook RSS Twitter
Seja bem-vindo! Hoje é Terça-feira, 13 de Novembro de 2018.
RELEASES

Justiça Federal determina que a ANS reduza o número de cesáreas em redes particulares

Partos cesarianos aumentaram drasticamente nos últimos 10 anos
 
O Ministério Público Federal instituiu uma ação civil em face da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) objetivando a expedição de regulamentação que determine, entre outras questões, a redução do número de cesarianas e a adoção de práticas humanizadas no nascimento.  
 
A sentença foi redigida pelo juiz federal Victorio Guizio Neto, no dia 30 de novembro de 2015 e salienta o problema do excesso do número de cesarianas reconhecido pelo poder público, assim como por todos os demais setores envolvidos.  Desta forma, as políticas adotadas para a modificação desta situação foram, exclusivamente, voltadas para a promoção de campanhas de esclarecimento à população. Apesar disso, não houve obtenção de qualquer resultado positivo, a taxa de cesáreas só tem aumentado ao longo dos anos.
 
No Brasil, no ano de 2003, a taxa de cesárea do SUS ficou em 27,5% e no setor da saúde suplementar, em 2004, atingiu o índice de 79,7% o que afirma configurar uma enorme discrepância entre o sistema público e o privado, segundo a sentença pública.
 
Para diretor-presidente da Fehosp (Federação das Santas Casas e Hospitais Beneficentes do Estado de São Paulo), Edson Rogatti, as pacientes atendidas pelo SUS são somente encaminhadas para a cesárea quando há complicações. “Os hospitais que atendem pacientes do SUS procuram seguir a orientação da OMS de realizar partos normais, que são mais indicados à saúde da mulher”, explica o diretor-presidente.
 
O documento propõe que a ANS crie indicadores e notas de qualificação específica para a redução do número de partos cirúrgicos, como forma de incentivo das práticas humanizadas e ressalta que a forma de remuneração dos médicos deve ser a mesma para ambos os tipos de parto. “Se os hospitais tivessem mais profissionais disponíveis e que trabalhassem em conjunto (enfermeiras e obstetras), o número abusivo de cesáreas talvez diminuísse, pois a principal causa desse número ser tão alto é a falta de disponibilidade desses profissionais”, ressalta Edson Rogatti.
 
A Justiça Federal estabeleceu o prazo de 60 dias para que a ANS apresente as resoluções normativas necessárias para a implementação das determinações impostas. 

Pense antes do BOM DIA GRUPO
Filosofando sobre a conduta no "Whats"   [...]
Jornalista da Predicado colabora em reportagem da revista Gestão & Negócios
A jornalista Carolina Fagnani, diretora executiva da Predicado Comunicação Empresarial foi conv [...]

55 11 4930-2006
predicado@predicadobrasil.com.br

Avenida Imperatriz Leopoldina, 263
Sala 14 - Nova Petrópolis
CEP 09770-271
S. Bernardo do Campo – SP

Atendimento: segunda a sexta-feira,
das 9h as 18h

Predicado © 2013, Todos os direitos reservados.  | Política de Privacidade | Direitos Autorais | Fale Conosco