Facebook RSS Twitter
Seja bem-vindo! Hoje é Terça-feira, 13 de Novembro de 2018.
RELEASES

Santas Casas e Hospitais Beneficentes confirmam paralisação nacional no dia 25

Em razão da crítica situação financeira, instituições de todo o país planejam bloquear procedimentos eletivos e profissionais prometem vestir preto, em luto pelo setor
 
Amanhã, dia 25 de setembro, as Santas Casas, hospitais e entidades beneficentes, farão em todo o país uma nova paralisação para alertar a sociedade sobre o subfinanciamento do Sistema Único de Saúde, com ênfase na realidade da crise vivenciada há anos pelos filantrópicos. O objetivo é conscientizar a todos sobre o insuficiente recurso de custeio alocado e o crescente endividamento das instituições, já que o subfinanciamento e o brutal déficit dele decorrente não tem perspectiva de solução próxima.
 
Nomeado de “Dia Nacional de Luto pela Crise das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos”, o ato prevê bloquear todo o agendamento eletivo nesta data, como ação de protesto e sensibilização pública em nível nacional. “Manteremos a manutenção da assistência nas urgências e emergências, primordial para que a população não sofra desassistência generalizada, o que não é nossa intenção, pois temos o povo como principal aliado e beneficiado dessa nossa luta. Não estamos brigando apenas por nós, mas pela saúde de todos os brasileiros, principalmente aqueles que dependem do SUS”, afirmou o diretor-presidente da Fehosp (Federação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos do Estado de São Paulo), Edson Rogatti. Também na data, os funcionários e profissionais que trabalham nas instituições vestirão trajes na cor preta, representando o luto pelo setor, que atualmente amarga uma dívida de mais de R$15 bilhões.
 
Esta ação é parte de uma mobilização nacional, conta com a participação das mais de 2.100 instituições do país e adesão de todos os estados. Dos mais de 400 hospitais e entidades filantrópicas de São Paulo, por exemplo, os 310 associados da Fehosp são solidários à paralisação e na medida do possível, cumpriram com a suspensão dos procedimentos eletivos. “Muitas instituições reagendaram os pacientes do dia para antes da data marcada, outras para a mesma semana. Algumas não conseguiram reprogramar suas agendas, e então só apoiarão a causa com faixas e trajes em preto, para que a população não seja prejudicada”, contou Edson Rogatti. O diretor-presidente da Fehosp passará o dia na Santa Casa de Marília, onde participará de uma coletiva de imprensa com o provedor local e também diretor administrativo-financeiro da Federação, Milton Tédde, marcada para as 10h, nas dependências do ambulatório de especialidades do hospital. Além de Marília, outras instituições de forte atuação regional se programaram para a data, são elas a Santa Casa de Votuporanga, Valinhos, Mogi das Cruzes, Franca, Presidente Prudente, Mogi Mirim, Itapeva, Guarulhos, Piracicaba, São José do Rio Preto, São José dos Campos, Bragança Paulista, Santa Rita do Passa Quatro, a Fundação Padre Albino de Catanduva, as Irmãs Hospitaleiras das Santas Casas de Saúde de Nossa Senhora de Fátima, entre outras.
 
O movimento surgiu após a reunião de representantes do setor no último congresso da CMB (Confederação das Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas), promovido em Brasília no mês de agosto. Tal movimento tem como base os aspectos abaixo transcritos, elaborados durante o evento e já entregues em documento ao Ministro da Saúde e à Presidente Dilma Rousseff:
 
1. Implementação das medidas acordadas com esse Ministério para ampliação do custeio da média complexidade, estabelecendo novo patamar do IAC, passando a  corresponder a 100% do valor contratado com o SUS, para todos os hospitais do segmento, nos moldes da Portaria GM/MS nº. 2.035/2013, com aperfeiçoamentos a serem consensados;
 
2. Criação de incentivo para o custeio da alta complexidade, com estabelecimento de IAC que corresponda, no mínimo, 20% do valor contratado com cada hospital nesta área;
 
3. Ampliação do IAC cumulativo para os Hospitais de Ensino para 20%, tal como previsto na Portaria GM/MS nº. 2.035/2013, bem como, destinação de recursos para pagamento da integralidade de bolsas de residências médicas, hoje sob responsabilidade destas instituições; 
 
4. Ampliação do PROSUS para soluções de dívidas com o sistema financeiro, alcançando juros máximos de 2% ao ano e prazos mínimos de 180 meses, com carência de 3 anos, tendo como parâmetro políticas atinentes ao setor da agricultura, programa PRONAF – agroindústria;
 
5. Criação de linha de recursos de investimentos, a fundo perdido, aos moldes do REFORSUS, tanto para tecnologias como para adequações físicas.
 
Entenda a crise
 
Com base nas análises de centros de custos de três grandes Santas Casas - Maceió, Belo Horizonte e Porto Alegre -, referências de gestão, volume assistencial e qualidade no atendimento, a Confederação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos – CMB, expõe a dimensão do déficit do setor, que chega a 232% nos resultados econômicos de internação da média complexidade (SIH-SUS). A alta complexidade, que sempre apresentou um financiamento compatível, já acumula, no entanto, um resultado negativo mensal de 39%, e os custos ambulatoriais com déficit de 110%.
 
Para chegar a esses resultados, os hospitais reuniram os chamados subgrupos de alta e média complexidade e o atendimento ambulatorial de um mês, apontando os custos e as receitas provenientes do contrato com o SUS. Mesmo lançando os incentivos federais e estaduais, resultados de políticas de governo, e que são feitos apenas para uma pequena parcela de hospitais contratualizados, o déficit atinge 41% na média complexidade, mais de 42% no ambulatorial e mais de 10% na alta complexidade. Outro dado alarmante é o déficit nas diárias de UTI. A Santa Casa de Belo Horizonte por exemplo, apurou mais de 297% de defasagem.
 
O montante total de R$ 15 bilhões em dívidas, dos quais 44% com o sistema financeiro, 26% com tributos federais, 24% com fornecedores e 6% com passivos trabalhistas e outras, não terá resolução apenas com o PROSUS, até então, restrito às dívidas com tributos federais, remanescendo a preocupação com a amplitude e total incapacidade de enfrentamento das demais dívidas.

Pense antes do BOM DIA GRUPO
Filosofando sobre a conduta no "Whats"   [...]
Jornalista da Predicado colabora em reportagem da revista Gestão & Negócios
A jornalista Carolina Fagnani, diretora executiva da Predicado Comunicação Empresarial foi conv [...]

55 11 4930-2006
predicado@predicadobrasil.com.br

Avenida Imperatriz Leopoldina, 263
Sala 14 - Nova Petrópolis
CEP 09770-271
S. Bernardo do Campo – SP

Atendimento: segunda a sexta-feira,
das 9h as 18h

Predicado © 2013, Todos os direitos reservados.  | Política de Privacidade | Direitos Autorais | Fale Conosco